O “híbrido” que temos pela frente

The only way you can predict the future is to build it.

Alan Kay, computer scientist

“A única maneira de prever o futuro é construindo-o”. A citação que abre este texto traz uma reflexão sobre as escolhas a serem feitas no retorno às aulas que considera parte dos estudantes presentes fisicamente nas escolas e parte deles presentes em um ambiente virtual, aprendendo remotamente. Há diferentes escolhas a serem feitas e todas elas oferecem pistas do futuro que se pretende construir em uma instituição, ou na educação como um todo. Vamos refletir sobre isso?

Quando o híbrido apenas considera a junção do online com o presencial

Nesse formato, as aulas no espaço físico da escola e aquelas que acontecem em casa são as mesmas. Ou seja, o professor que está em sala de aula expõe o conteúdo, alunos que estão em casa e na escola acompanham o mesmo conteúdo e têm idealmente a mesma aula, independente do ambiente em que estão. Essa forma de unir presencial e remoto considera o professor no centro do processo, o conteúdo que é exposto também é o foco, e é feita a mesma oferta para todos. A aula ocorre de um pra muitos, considera que todos aprendem no mesmo ritmo e imagina-se que, ao apresentar conteúdos de forma igual a todos, obtém-se o mesmo resultado. Como interagir nesse formato será mais difícil e tomará muito tempo, além das dificuldades de conexão, que nem sempre é a melhor para todos, pode-se chegar a um ponto em que todos que estão na sala de aula física ouvem a aula, em silêncio, para não atrapalhar a transmissão para quem está em casa. Quem está em casa tenta acompanhar a exposição da aula, mesmo que lidando emocionalmente com o fato de não estar em contato com aqueles que estão na sala de aula, e sem poder interromper a explicação. Retomando a citação que abre este texto, o futuro que se constrói é aquele que se baseia em um passado que considera o professor como detentor dos conhecimentos a serem transmitidos para alunos que, como tábulas rasas, terão a oportunidade de receber, ao mesmo tempo, a mesma “instrução”.

Quando o híbrido considera o potencial do online para uma melhor experiência presencial

Nesse formato, o momento online oferece a possibilidade de aprendizagem dos estudantes em diferentes tempos e ritmos, com foco no desenvolvimento de habilidades essenciais, mas oferecendo oportunidades para os estudantes irem além do que é proposto. Projetos ampliam a relação dos estudantes com os conhecimentos e possibilitam a construção em grupos, o desenvolvimento do pensamento crítico, científico e criativo, a aproximação com a cultura digital como caminho para que se aprenda mais e melhor, entre outras possibilidades. Os momentos presenciais, então, são momentos de relação com o humano, com outras pessoas, de forma “desconectada”. Nesses momentos, os estudantes podem viver aquilo que não tiveram a oportunidade de fazer no primeiro semestre: a presença física, a troca de ideias sem ter que ligar a câmera e “desmutar” o microfone, a retomada das relações humanas, respeitados todos os cuidados sanitários. Seminários socráticos, instrução entre pares, resolução de problemas, aprendizagem baseada em perguntas, entre outros modelos podem ser utilizados nos momentos presenciais e valorizar a construção coletiva em grupos menores.

Quais são os desafios?

Sem dúvida, trata-se de uma necessidade de mudança de cultura da comunidade escolar como um todo: professores, estudantes, famílias. Há uma falsa ideia de que a mesma carga horária que foi contratada no início do ano letivo tenha que ser entregue para os estudantes, independente da sobrecarga de tela ou do stress que isso possa ocasionar. Além de conscientizar as famílias, há o desafio da formação dos professores, que já se reinventaram no primeiro semestre, substituindo uma forma de lecionar por outra e que, agora, precisam caminhar em sua curva de aprendizagem para adaptar novos modelos às suas expectativas e necessidades, considerando as expectativas e as necessidades dos estudantes e de suas famílias. Pode parecer, para algumas pessoas, que apoiar-se na exposição de conteúdos facilitará o trabalho docente, mas talvez o stress seja ainda maior, além da constatação de que o impacto nas aprendizagens pode não ser o que se espera. Repensar a avaliação é um outro desafio, pois sabemos o quanto ela indica os resultados do processo e se não for considerada como um elemento fundamental para identificar os avanços, corremos o risco de utilizar formas de medidas que não se relacionam com o processo a ser medido, como se utilizássemos quilogramas para medir distâncias…..

Instituições que têm conseguido mostrar outros formatos de engajar os alunos com as aprendizagens e com produções que impactam no desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e valores, estão participando da construção desse futuro, mesmo que ele avance a passos bem menores, mas que ele não retorne a etapas muito anteriores do que já tínhamos conseguido atingir em 2019.

Fonte das imagens: Pixabay

Para conhecer algumas ações feita por professores, acesse: http://www.triade.me/videoteca

Ensino híbrido: muito mais do que unir aulas presenciais e remotas

classroom-2093744_1920Muito frequente em diferentes publicações, discursos e reflexões, o ensino híbrido tomou grandes proporções como a solução para todos os problemas pós-pandemia… Porém, muito mais do que resolver o problema de unir aulas presenciais, nas instituições de ensino, e aquelas que vão ocorrer no formato remoto, na casa dos estudantes, o ensino híbrido é uma abordagem que está inserida no rol de metodologias ativas. Isso quer dizer que há uma concepção de aluno protagonista, de aulas que valorizam o aprender a aprender, de identificação das necessidades dos estudantes com foco na personalização, que parece ficar em segundo plano quando se trata do tema. Essas concepções requerem um estudo um pouco mais aprofundado e uma reflexão sobre o papel das tecnologias digitais nesse processo. Vamos pensar um pouco sobre isso?

Papel das tecnologias digitais no Ensino Híbrido

Diferente do que foi feito agora, no Ensino Remoto Emergencial, em que as tecnologias digitais, para os alunos que têm acesso a elas, substituíram as aulas presenciais e essas aulas, de forma literal, foram transferidas para o online, no Ensino Híbrido, o papel das tecnologias digitais é outro.

As tecnologias digitais favorecem a personalização, na coleta de dados e na identificação de quem são esses alunos, quais são suas dificuldades e facilidades, e como as experiências de aprendizagem podem melhor atender ao objetivo de desenvolver habilidades e competências. Assim, as tecnologias digitais não têm apenas o papel de levar uma aula expositiva a um grupo de alunos que não está presente na escola. Reforço o que muitos outros pesquisadores têm afirmado nesse momento: se as tecnologias digitais forem utilizadas para reproduzir um sistema de ensino centrado na explicação do professor, não teremos oportunidade de desenvolver pensamento crítico, argumentação, comunicação e colaboração como poderia ser feito se as tecnologias forem bem utilizadas e realmente assumirem importante papel nesse momento. Entender os alunos como prosumers  que consomem, mas também produzem no ambiente digital, é fundamental ao elaborar o desenho do papel das tecnologias digitais nesse momento.

Tecnologias digitais deixam de funcionar como um recurso para entregar conteúdo, entregar aulas expositivas, mas para funcionar como mais um elemento mediador da aprendizagem. Assim, as experiências digitais passam a ser construídas como possibilidades de buscar a personalização da aprendizagem.

Papel do espaço, do educador e dos demais estudantes no momento presencial

O espaço presencial pode, nesse modelo híbrido, facilitar a interação entre as pessoas: esse é o grande benefício do retorno, considerando todos os cuidados sanitários decorrentes desse momento. Mesmo com o distanciamento necessário no presencial, há experiências que podem ser organizadas para que o que foi produzido no momento remoto, por meio das tecnologias digitais, atinja um novo patamar de reflexão sobre conteúdos, procedimentos, valores. Qual seria o motivo de retorno às aulas se não para aproveitar a oportunidade de interagir com outras pessoas? Assim, repensar o papel do educador, dos estudantes, e dos espaços é fundamental!

Para saber mais:

Curso online: Metodologias ativas – intensivo de férias