“NO ENSINO HÍBRIDO, O ON-LINE POTENCIALIZA O MOMENTO PRESENCIAL”, EXPLICA LILIAN BACICH

Abaixo, trecho de entrevista publicada no site do Instituto Unibanco.

O que é o ensino híbrido?

Lilian: O ensino híbrido é uma abordagem que envolve a conexão entre aquilo que o aluno faz online ou mesmo off-line, mas com o uso de recursos digitais, e aquilo que ele faz presencialmente numa sala de aula física. Quando você combina essas duas experiências de aprendizagem e tem como foco a personalização, aí você está realizando o ensino híbrido com essa proposta de um estudante mais ativo, no centro do processo e de uma avaliação formativa.

Como potencializar os momentos presenciais e on-line?

Além do potencial de estimular a autonomia e o protagonismo do aluno, o on-line também é um meio importante do professor ou da escola coletar informações sobre esse aluno. Por exemplo, se ele fez um mapa mental, o professor já pode a partir desse mapa mental identificar o que ele tem de dificuldade, de facilidade, que tópico ele poderia aprofundar mais. Se ele assistiu a uma videoaula e respondeu a um formulário depois, a escola tem dados quantitativos para saberem o percentual de acertos, o quanto ele apresentou de dúvida. Essas informações potencializam o momento presencial. No ensino híbrido a gente entende que o momento presencial, em que o aluno está face a face com o professor, é o momento para troca, olho no olho, em que o aluno deve estar mais desconectado que conectado, especialmente nesse retorno das escolas, desenvolver a argumentação, o debate, a própria aplicação dos aprendizados que ele trabalhou em casa, aprofundando conhecimentos ou esclarecendo alguma dúvida.

Caso esse aluno não tenha o contato digital na casa dele, que a escola também seja esse espaço para que ele entre em contato com essa cultura digital e possa desenvolver esses desafios on-line na escola também, mas não no mesmo tempo em que ele está com o professor. A gente tem alguns modelos de ensino híbrido que promovem esse revezamento entre o on-line e o face a face com o professor.

A gente tem exemplos de escolas públicas que conseguiram reconfigurar o espaço do laboratório de informática, no sentido de que não tem as mesas enfileiradas, mas espalhadas. E aí você tem um espaço em que os alunos podem trabalhar desconectados com o professor, as vezes numa roda de conversa, ou próximo do laboratório, enquanto que outra parte podem fazer o contato com o digital de uma forma mais individual, principalmente se não teve acesso nesse período em casa. Esse é o modelo chamado de laboratório rotacional, de uso do laboratório de informática.

Com a reabertura parcial e gradual das escolas, como promover a inclusão dos alunos que não têm acesso à internet e aos dispositivos tecnológicos no âmbito do ensino híbrido?

Quando a gente olha para esse modelo do laboratório rotacional, ele é uma estratégia que pode ser muito útil para gente trazer para a cultura digital aqueles alunos que nesse período ou no dia a dia não têm acesso ao digital na casa deles. O Laboratório Rotacional é uma boa experiência para que a gente leve os alunos para o contato digital e ao mesmo tempo tenha a possibilidade de fazer o face a face com o professor e desenvolver outras habilidades.

A gente tem o modelo da sala de aula invertida, em que o aluno se prepara para a aula presencial e nesse se preparar ele pode usar o on-line se ele tiver ou uma mídia social, muitas redes utilizaram o whatsapp, os recursos digitais e outras utilizaram a tevê e o rádio que não se configuram no ensino híbrido mas numa visão ampliada, que é o que a gente vem defendendo, de uma educação híbrida, que pode dar acesso a outros recursos para aqueles que não têm acesso ao digital.

Uma das linguagens que é preciso trabalhar com os alunos nesse século 21 é o acesso à cultura digital. Se ele não teve esse acesso e foi feito algo que cumprisse esse papel por meio de material impresso, TV, a escola não pode se abster dessa possibilidade de quando o aluno voltar a frequentar o espaço físico da escola, é um jeito de lidar com essas desigualdades.

Veja o restante da matéria, clicando aqui.

Publicado por Lilian Bacich

Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano (USP), Mestre em Educação (PUC), Pedagoga (USP) e Bióloga (Mackenzie), professora de Ensino Fundamental, Ensino Médio. Coordenadora de curso de Pós-graduação em Metodologias ativas no Instituto Singularidades. Organizadora dos livros: Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação; Metodologias ativas para uma educação inovadora. Cofundadora da Tríade Educacional. www.triade.me Contato: bacichlilian@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: