Vamos falar sobre Projetos?

Muitos de vocês já devem ter ouvido falar ou, até mesmo, já utilizaram Projetos em suas escolas.

É difícil dizer em que momento os projetos foram inseridos nas práticas docentes, podemos generalizar dizendo que todo professor já criou ou participou de algum projeto em sua escola, seja o projeto da mostra literária, ou da feira de ciências, projeto água, projeto super-heróis. Continue lendo “Vamos falar sobre Projetos?”

Podemos exercitar empatia na escola?

A BNCC da educação básica aponta dez competências gerais que devem fazer parte dos nossos planejamentos escolares. A Competência 9 trata da empatia. Segundo o texto: “Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.” Continue lendo “Podemos exercitar empatia na escola?”

Aprendizagem Baseada em Projetos: desafios da sala de aula em tempos de BNCC

Artigo publicada pela autora, em parceria com Leandro Holanda, na Revista Educatrix, ano 8, no 14, 2018. Disponível aqui.

Em meio a uma gama de novas metodologias de aprendizagem, nem tudo que vemos é tão novo assim… Projetos, por exemplo, são amplamente adotados no ambiente educacional e nos acompanham desde sempre. É difícil determinar em que momento eles foram inseridos nas práticas docentes, mas é certo que todo professor já criou ou participou de algum projeto em sua escola, seja o projeto da mostra literária, ou da feira de ciências, projeto água, projeto super-heróis. Essas ações surgem nas instituições de ensino com o objetivo de integrar conteúdos curriculares e relacioná-los a temas que precisam ser discutidos no ambiente escolar e que, em algumas situações, não fazem parte do currículo da instituição. Dessa maneira, passam a fazer parte na forma de projetos. Continue lendo “Aprendizagem Baseada em Projetos: desafios da sala de aula em tempos de BNCC”

As tecnologias digitais e seu papel transformador nas ações de ensino e aprendizagem

Apresento neste texto alguns trechos extraídos da minha tese.

TDIC – Tecnologias Digitais da Informação e da Comunicação – ou TIC – Tecnologias da Informação e da Comunicação – ou, ainda NTIC – Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação – são alguns dos termos utilizados pelos pesquisadores desta área e podem ser considerados, de certa forma, sinônimos. Coll e Monereo afirmam que

“Entre todas as tecnologias criadas pelos seres humanos, aquelas relacionadas com a capacidade de representar e transmitir informação – ou seja, as tecnologias da informação e da comunicação – revestem-se de uma especial importância, porque afetam praticamente todos os âmbitos de atividades das pessoas, desde as formas e práticas de organização social até o modo de compreender o mundo, de organizar essa compreensão e de transmiti-la para outas pessoas.” (Coll & Monereo, 2010, p.17).

Continue lendo “As tecnologias digitais e seu papel transformador nas ações de ensino e aprendizagem”

Planos de aula de Ciências – Nova Escola

Facebook Horizontal (1200x628)_012.png

Desde novembro de 2017, estou envolvida com a produção dos Planos de Aula de Ciências que, agora, estão no ar. Foi um grande desafio aprofundar os estudos da BNCC, recém aprovada em dezembro, e elaborar uma estrutura que considerasse a investigação como uma premissa das aulas de Ciências. Além de toda a experiências de mais de 20 anos em sala de aula, lecionando Ciências e Biologia, a pesquisa envolvendo as metodologias ativas foi muito importante nesse desenho: a inspiração na Aprendizagem baseada em projetos e no STEM (sigla para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática) foi decisiva! Comecei 2018 em Liverpool, não apenas conhecendo a terra dos Beatles, mas passei a primeira semana do ano na Conferência Anual da ASE (The Association for Science Education) na Universidade de Liverpool. Palestras e mais palestras, oficinas e mesas de debate apresentando o STEM fizeram com que eu tivesse ainda mais certeza que esse poderia ser um caminho para os planos. Assim, os planos de ciências (leia mais aqui) têm uma estrutura que envolve um contexto, uma questão disparadora, uma atividade mão na massa, e uma sistematização. Na hora do mão na massa, os professores do Time foram desafiados a criar propostas que envolvessem a argumentação, a experimentação, atividades práticas, uso de modelos, simuladores, entre outras atividades. A ideia é colocar o estudante no centro do processo, possibilitando que, por meio da prática, assuma uma postura protagonista (leia mais aqui)! Foi uma grande alegria acompanhar todas as etapas, desde a criação de planos modelo, o teste nas redes públicas, o processo seletivo, a Virada de autores, a produção dos planos e, agora, ver esse material no ar! Que bom ter tanta gente boa por perto! Minha gratidão a cada professor, mentor e especialista que esteve (e ainda está) comigo nessa jornada. Que estes planos possam fazer a diferença nas aulas de Ciências por esse país, assim como fizeram (e continuam fazendo) na minha trajetória profissional. Obrigada, Nova Escola, pela oportunidade de participar desse desafio com vocês!

Está curioso para ver esses planos sensacionais? Clique aqui para conhecê-los!

 

Metodologias ativas: desafios e possibilidades

A adaptação deste texto foi publicada em: BACICH, Lilian. Revista Pátio, nº 81, fev/abr, 2017, p. 37-39. Disponível em: https://loja.grupoa.com.br/revista-patio/artigo/13063/desafios-e-possibilidades-deintegracao-das-tecnologias-digitais.aspx

O desafio que encontramos, hoje, de acordo com o que identificamos em algumas pesquisas nacionais e internacionais, é que, apesar das instituições de ensino implementarem as tecnologias digitais em sua rotina, adotando computadores, tablets e outros equipamentos, ainda têm dificuldade em modificar as formas de lidar com o planejamento das aulas. Acabam fazendo uma transposição das aulas “tradicionais” para o modelo online e valorizando a exposição do conteúdo “de um para muitos” ou utilizando as tecnologias digitais como recurso que fica apenas nas mãos do professor, enriquecendo as aulas, mas não modificando a cultura escolar. Uma excelente infraestrutura, portanto, não é o suficiente: a mudança da cultura escolar não ocorre do dia para a noite e requer espaço de experimentação e de reflexão do grupo para que surta efeito.

Continue lendo “Metodologias ativas: desafios e possibilidades”

“É preciso persistir na mudança”

Protagonismo do aluno em sala de aula e a inserção de tecnologias digitais na rotina escolar são tendências apontadas pela especialista Lilian Bacich

Matéria da Inovaeduc – Folha Dirigida de outubro de 2017, por Giulliana Barbosa

Continue lendo ““É preciso persistir na mudança””

Ensino Híbrido: Relato da Escola Bosque

Ensino Híbrido  Educação inovadora

Na Escola Bosque, a proposta de assessoria que realizo envolve encontros e discussões com a equipe de gestão que, nos encontros pedagógicos, dissemina a abordagem com o time de professores. No relato a seguir, a gestão compartilha o passo a passo do processo.

http://info.geekie.com.br/ensino-hibrido-passo-a-passo/bosque